• Região 12/09/17 | 15:56:55
  • Havan pode ser transferida para outra cidade
  • Várias cidades no Brasil e inclusive vizinhas a Joaçaba querem a Havan
diminuir o tamanho do texto aumentar o tamanho do texto
  • Fonte/Autor: Rádio Videira/ Rádio Catarinense
  • Foto: Rádio Catarinense

"Conseguimos fazer mais do que a burocracia do Poder Público. Lamentavelmente colaboradores da prefeitura, usando da sua função, sentam em cima dos processos como se deles fossem donos e liberam quando querem". Essa é a primeira afirmação dita por Luciano Hang, dono da Havan ao comentar a notificação dada pelo Setor de Obras e Posturas da prefeitura, porque não foi apresentado o Alvará de Construção.

O local foi visitado na última sexta-feira (8) por representantes da administração, que entregaram ao gerente da obra a Notificação de Embargo, inclusive solicitando que a construção seja paralisada, até que o documento seja apresentado no órgão competente.

"Estamos muito tristes porque nosso desejo era entregar essa obra nos próximos meses para toda a população de Joaçaba e da região. Acho que a sociedade tem que se revoltar com esses absurdos e burocracias, porque todos os dias a gente fala da burocracia, mas nós aceitamos que os burocratas façam da nossa vida um verdadeiro inferno", argumento Luciano.

A imposição da administração para que a obra tenha 70 banheiros é um dos entraves na construção, segundo o proprietário da Havan. Quanto a isto, ele afirmou que "nós temos hoje 100 lojas espalhadas pelo Brasil, e quem sabe quantos banheiros serão necessários é o lojista, ou seja, nós. Isso é um absurdo através da metragem por metro quadrado, definir o número de banheiros. Quer dizer, isso nada mais é do que pessoas que não tem o que fazer na vida e ficam o dia inteiro pensando em fazer algo para prejudicar a vida dos outros. Coisas dessa natureza nunca nos foram pedido em nenhum outro lugar do mundo".

Concluindo, Luciano Hang deixa claro que se essa situação perdurar por muito tempo, a construção da Havan em Joaçaba poderá não ser concluída dentro do prazo estipulado no início da obra, ou seja, no início do mês de dezembro deste ano.

"Se a situação continuar vou parar a obra e tirar as equipes daí e continuar obras em outras cidades do país. Deverei passar a inauguração da obra de Joaçaba para o final do ano que vem, ou seja, 2018. E se continuarem a encher a minha paciência, é dois toques para que eu tire a obra. Afinal de contas, existem várias cidades no Brasil e inclusive vizinhas a Joaçaba que querem a Havan. E se for o caso, nós iremos para outro lugar. Queremos trazer o bem para a sociedade e a alegria para a cidade. Não estamos fazendo o mal para ninguém. Estamos fazendo sim o mal para esse burocrata que tem na prefeitura", finalizou Hang.

A administração municipal de Joaçaba irá se manifestar ainda pela manhã desta terça-feira (12), sobre esta situação da Alvará para a construção da Havan.

PREFEITURA SE MANIFESTA
O Procurador Jurídico do Município, Maikel Patrzykot, concedeu uma entrevista coletiva no final da manhã desta terça-feira (12) falando sobre o embargo da HAVAN. Ele explicou que assim que a empresa encerrou as escavações no local foi mantido contato visando a regularização da obra. A empresa foi notificada na semana passada e o embargo aconteceu por falta de alvará de construção que deverá ser emitido no decorrer desta semana, já que o projeto atendeu todas as questões exigidas pela prefeitura. Quanto ao embargo, o Procurador explicou que é procedimento legal da prefeitura adotado para todo tipo de obra. Ele negou que o embargo esteja relacionado ao número de banheiros. A maior dificuldade quanto a emissão do alvará está relacionada a questão da lei de acessibilidade. A obra deverá ser retomada no final desta semana.

comentários