• Estado 17/05/17 | 17:15:36
  • Natalino pede que Estado reduza alíquota do ICMS para suínos vivos
  • Indicação ao governador para que imposto passe de 12% para 6%
diminuir o tamanho do texto aumentar o tamanho do texto
  • Fonte/Autor: Rádio Videira/Assessoria de Imprensa
  • Foto: Divulgação

Preocupado com a competitividade do suíno vivo produzido em Santa Catarina e vendido para outros Estados, o presidente da Comissão de Agricultura da Alesc, deputado Natalino Lázare, encabeça o movimento para que o Estado reduza a alíquota de ICMS sobre o produto de 12% para 6%.

O parlamentar articulou a aprovação de uma indicação, já protocolada na Assembleia Legislativa e subscrita por todos os membros da Comissão de Agricultura (sete deputados), inclusive pelo presidente da Frente Parlamentar da Suinocultura, José Nei Ascari. O documento será encaminhado ao governador.

"Acredito que este seja um assunto que mereça atenção profunda do Governo do Estado. É preciso tratar deste assunto e estabelecer uma alíquota única, caso contrário os pequenos suinocultores, em especial, serão muito prejudicados", alerta o deputado Natalino.

A preocupação se justifica: na semana passada, o Rio Grande do Sul aprovou uma lei, estabelecendo a alíquota em 6%. Em 2016, os três Estados, em comum acordo, praticaram a cobrança de 6% sobre os suínos vendidos a outras unidades da federação. E todos ganharam. Agora, ante a nova realidade gaúcha, o produto catarinense perde muita competitividade.

De acordo com a Associação Catarinense dos Criadores de Suínos (ACCS), os criadores vendem a produção não absorvida no Estado para outras regiões. Em 2016, mais de 2 milhões de suínos catarinenses foram entregues a frigoríficos paulistas.

SC já teve alíquota de 6%

No ano passado, de março a dezembro, o Governo do Estado se sensibilizou e atendeu atende as reivindicações dos produtores de carne suína, levantadas pelo deputado Natalino e manteve a redução do ICMS de 12% para 6%.

A medida deu suporte especialmente aos produtores de suínos independentes, que enfrentam a alta do custo de produção e o baixo preço pago pelo quilo de suíno. Com o novo valor de tributação, o suinocultor independente, que antes pagava R$ 43,56 de ICMS na comercialização de um animal para outro estado, aproximadamente, pagou cerca de R$ 21,78.

Aumento nas exportações

De acordo com a Secretaria da Agricultura, o volume de carne suína exportada por Santa Catarina, em 2016, teve um aumento de 43,47%, atingindo a marca de 274,1 mil toneladas, com relação a 2015. Estado arrecadou cerca de U$ 555,2 milhões no último ano, sendo responsável por 38% dos embarques brasileiros do produto.

comentários